Em abril desse ano começaram os primeiros testes em humanos nos EUA para uma técnica de edição de genes chamada CRISPR. Dois pacientes, um com mieloma e outro com sarcoma, receberam o tratamento com CRISPR depois que os procedimentos tradicionais contra o câncer não obtiveram sucesso. 

A técnica de edição de genes surge como uma esperança e abre portas para várias descobertas em torno de doenças genéticas hoje incuráveis, como o câncer.

Câncer, a doença.

Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos.

Estas células se dividem rapidamente e tendem a ser agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores, que podem se espalhar para outras regiões do corpo.

Os tipos de câncer correspondem aos vários tipos de células do corpo. Quando começam em tecidos epiteliais, como pele ou mucosas, são denominados carcinomas. Se o ponto de partida são os tecidos conjuntivos, como osso, músculo ou cartilagem, são chamados sarcomas.

As outras características que diferenciam os diversos tipos de câncer entre si são a velocidade de multiplicação das células e a capacidade de invadir tecidos e órgãos vizinhos ou distantes, conhecida como metástase.

Como funciona a edição genética?

O CRISPR funciona como um “editor” do DNA, e a ideia é que ele consiga remover pedaços do gene que estejam associados ao aparecimento do câncer, ajudando o corpo do paciente de lutar contra a doença. O método que utiliza o CRISPR trabalha focando em genes específicos responsáveis por determinadas funções ou características. Uma enzima chamada Cas9 se liga ao DNA, o “corta” na parte desejada, e “desliga” a parte responsável pelo desenvolvimento do câncer. 

O CRISPR remove pedaços do gene que estejam associados ao aparecimento do câncer.

As informações sobre os resultados iniciais do procedimento ainda não estão disponíveis, mas os pesquisadores planejam tratar 18 pacientes com várias formas de câncer até o final do estudo, em 2033.

Discussões sobre a bioética

A preocupação sobre a edição de genes é o desenvolvimento de pesquisas que sejam realizadas com base na eugenia.

A eugenia é um termo criado em 1883 por Francis Galton, que possui como significado “bem nascido”. Galton definiu eugenia como “o estudo dos agentes sob o controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações seja física ou mentalmente”.

Essa teoria é completamente discriminatória, pois define o conceito de raças entre os humanos, e que existem raças superiores a outras. Foi e é bastante utilizada no movimento nazista como forma de fortalecer a discriminação entre a “raça ariana” dos demais, como judeus, negros, homossexuais, entre outros.

Como a eugenia poderia estar presente na edição de genes?

À partir da ideia de desenvolver um genoma com as características ESCOLHIDAS previamente, como por exemplo de uma pessoa que corra mais rápido ou seja mais alta, de determinada cor, com determinadas características físicas…

São questões importantíssimas e que devem ser levantadas pela comunidade científica, apesar de ainda ser uma realidade distante.

Parece coisa de filme né? Ou de um episódio de Black Mirror.

Quem aí já assistiu o filme Gattaca? Vale a pena conferir!

Fonte: Adoro Cinema

Já imaginou no futuro você escolhendo o que seu filho vai gostar? Se ele vai ser um mestre na matemática, ou um pianista, ou quem sabe um jogador de futebol?

Soa bem bizarro né? Onde entraria o poder de escolha das pessoas? E a liberdade? 

São várias questões polêmicas a serem levantadas, mas não podemos esquecer do real objetivo: Curar doenças e salvar VIDAS

E essa pesquisa é um grande passo para a cura de doenças genéticas.

Fonte: https://www.inca.gov.br/o-que-e-cancer

https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2019/04/edicao-de-dna-e-testada-pela-primeira-vez-em-pacientes-com-cancer.html

https://olhardigital.com.br/noticia/edicao-genetica-que-promete-cura-do-cancer-ja-esta-em-testes-nos-eua/84840

http://agencia.fapesp.br/os-avancos-e-riscos-da-edicao-genica-na-area-da-saude/28919/

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of