No carnaval de 2019 surgiram muitas empresas com propagandas sobre “glitters biodegradáveis” para que as pessoas pudessem curtir o carnaval arrazani sem prejudicar o meio ambiente com o temível MICROPLÁSTICO.

Os famosos glitters usados nas maquiagens, após serem lavados no banho podem chegar aos oceanos.
Inkwina [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Mas, você sabe o que é esse pequeno grande vilão? 

Vem com a gente que te explicamos!

O que é o microplástico?

Como o nome diz, os microplásticos são pequenas partículas de plástico. Alguns pesquisadores consideram que o tamanho máximo do microplástico é de 1 milímetro, enquanto outros adotam a medida de 5 milímetros.  Qual a sua origem? Da fragmentação de plásticos maiores! 

Além dos microplásticos foram encontrados os nanoplásticos, com menos de 1mm.

A primeira vez que os microplásticos foram detectados no meio ambiente foi em 1970 e se tornaram um fator de preocupação por poluírem cada vez mais o meio ambiente com o passar dos anos. Já parou para reparar quantas vezes ao longo do seu dia você joga algo de plástico no lixo?

De onde eles vem?

O  grande problema hoje, além de não reciclarmos todo o lixo que produzimos, é que o descarte  do microplástico é inadequado. Sabe aquela garrafa de água que você jogou no chão no carnaval? Pode ter virado microplástico  e ter ido direto para os nossos oceanos! 

Os microplásticos podem ser derivados de:

  • Embalagens; 
  • Garrafas;
  • Brinquedos;
  • Roupas de fibras de plástico como o poliéster que são lavadas levando o microplástico até a natureza; 
  • Produtos de beleza como esfoliantes, shampoo, sabonetes, pastas de dente, delineadores, desodorantes gloss e protetores labiais, aqui também entra o glitter das maquiagens do carnaval!
  • Tintas

E com relação à sua origem podem ser classificados de duas formas: 

  • De origem primária: resíduos industriais, residenciais e de transporte marítimo;
  • De origem secundária: de processos de degradação que transformam pedaços de plásticos maiores em menores.

A maioria dos microplásticos são originários de polietileno tereftalato (PET), polipropileno (PP), poliestireno (PS), poliuretano (PU), policloreto de vinila (PVC) e nylon (PA).

E você me pergunta: Nossa, o microplástico está presente nesse TANTO de coisa?

E se eu te dissesse que o microplástico está presente também nos nossos alimentos, no sal, no ar que respiramos e na água em que bebemos?

NÚMEROS CHOCANTES

Foram feitos testes com a água de 259 garrafas comercializadas por 11 marcas líderes de mercado vendidas em 9 países, incluindo o Brasil,. O estudo foi realizado pela Universidade Estadual de Nova York, a pedido da Orb Media, uma organização jornalística sem fins lucrativos sediada em Washington. O resultado do estudo encontrou  uma média global de 10,4 partículas (de plásticos variados) por litro de água, foram observadas partículas de polipropileno, náilon e tereftalato de polietileno (PET).

Cerca de 83% da água de torneira do mundo inteiro está contaminada com microplásticos. Um estudo de 2015, estimou que, a cada ano, cerca de três a dez toneladas de fibras plásticas atingem as superfícies das cidades.

Como vai parar no ar?

O simples atrito que acontece da sua pele com as roupas de fibras têxteis sintéticas plásticas, já é o suficiente para fazer com que os microplásticos sejam lançados na atmosfera. 

No atrito dos pneus de carros, caminhões e outros veículos gera emissão de 20 gramas de microplásticos a cada 100 quilômetros percorridos, os pneus são feitos de um tipo de plástico chamado estireno butadieno. 

Essa poeira de microplásticos pode ser inalada, ou ir parar no seu copo e no seu prato de comida, por exemplo.

Microplásticos na água doce e nos oceanos

Os microplásticos podem causar danos tóxicos aos seres vivos, por conta do seu tamanho, apresentam uma grande capacidade de absorção de compostos tóxicos, como metais pesados (mercúrio, cádmio, e outros).

Os peixes infectados são alimento de peixes maiores que acabam chegando nas mesas das pessoas.

O impacto ambiental mais comum está relacionado com a ingestão do microplástico por animais aquáticos causando asfixia. E quando não causa asfixia, a ingestão desses plásticos leva a lesões em órgãos internos e ao bloqueio do trato gastrointestinal.

A fauna e a flora sofrem com a contaminação pelo microplástico

Segundo a pós-doutora em Oceanografia, Jacqueline Santos Silva Cavalcanti, à partir de 1970, cerca de 270 grupos de seres vivos de água salgada foram verificados com a presença de microplásticos em seu interior.

Os microplásticos podem ser encontrados em forma de fragmentos, fibras e grânulos. Por causa do seu tamanho, esses plásticos atingem a base da cadeia alimentar, afetando toda a fauna aquática.

E por que a gente deveria se importar? 

Os microplásticos absorvem substâncias tóxicas associadas ao câncer e outras doenças, podemos ingeri-las através de outros animais, como por peixes e mamíferos.

Plânctons e outros pequenos animais se alimentam do plástico contaminado e quando são comidos por peixes maiores, continuam a intoxicação. Esse é um processo que chamamos de bioacumulação, fica ligado que costuma aparecer no ENEM! 

Por fim, quando nos alimentamos desses peixes maiores, estamos ingerindo também o plástico e os poluentes que se acumularam ao longo da cadeia alimentar. Entre os problemas relacionados à intoxicação por estes microplásticos estão diversos tipos de disfunções hormonais, imunológicas, neurológicas e reprodutivas.

O que podemos fazer?

O primeiro e mais simples passo é diminuir o consumo de plástico na medida do possível.

Como podemos fazer isso?

  • Quando comprar alimentos, cosméticos e produtos em geral, prefira aqueles que venham em embalagens de vidro, que são consideradas sustentáveis. E depois do uso você pode soltar a sua imaginação e criatividade reaproveitando as embalagens!


Garrafas de vidro podem ser porta objetos ou até mesmo vasos de plantas <3
  • Quando for sair, lembre-se SEMPRE de levar uma garrafinha d’água com você, evitando assim comprar uma garrafa de água na rua (que você sabe que está cheeeia de microplástico)
  • Repense o seu uso de plástico! Por exemplo: Você realmente precisa de um canudinho para beber uma bebida? Ou de tantas sacolas assim no supermercado? Troque o canudo por: ZERO canudos, ou um de metal ou vidro reutilizável! E a sacola por uma daquelas sacolas de pano SUPER FASHION para fazer as compras!
  • Pegue e dê carona. Cada carro a mais é sinônimo de mais microplásticos no ar e na água. Fora que você pode economizar na gasolina né? Afinal, não tá fácil pra ninguém.
  • Não utilize cosméticos com esfoliantes sintéticos, substitua-os por receitas naturais. Além de ser mais barato, ainda ajuda o meio ambiente! Existem diversas receitas de esfoliantes caseiros na internet!

  • Dê prioridade aos bioplásticos. Conheça os substitutos do plástico comum: o plástico verde, o plástico PLA e o plástico de amido.
  • Descarte  o seu lixo corretamente e encaminhe para reciclagem. Confira quais são os postos de coleta mais próximos de sua residência.
     
  • E claro, se possível pressione empresas e governos para que garantam a reutilização e o descarte apropriado do plástico. Nem todo plástico reciclável é efetivamente reciclado!

O planeta ainda tem chances! Se cada um fizer a sua parte, todos podemos salvá-lo <3

Fontes: 

https://www.ecycle.com.br/1267-microplastico.html

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/quimica/microplasticos.htm

https://marsemfim.com.br/microplastico-descobertas-alarmantes/

https://orbmedia.org/stories/Invis%c3%adveis_pl%c3%a1stico/

https://www.ecycle.com.br/component/content/article/38-no-mundo/6337-microplasticos-na-agua-em-garrafa-estudo.html

https://www.nationalgeographicbrasil.com/video/tv/por-que-o-microplastico-e-perigoso

https://www.ecycle.com.br/5914-microplasticos


Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of