O que era para ser apenas uma ação de marketing para chamar atenção se transformou em tragédia.

Em 2013, na cidade de Leon, no interior do México, durante uma festa organizada pela marca de bebida alcoólica alemã Jagermeister, oito jovens foram hospitalizados e um entrou em coma após os organizadores jogarem quatro barris de nitrogênio líquido na piscina, a fim de causar efeito de névoa.
A “sacada” de marketing remetia ao drinks preparados com nitrogênio líquido misturados, comumente, ao Jagermeister. Em 2012, a britânica Gaby Scanlon, teve o estômago perfurado (e retirado após cirurgia) depois de tomar dois “Nitro Jagermeister” em uma boate em Lancaster, no noroeste do país.

Teorias sobre as causas do acidente com o nitrogênio líquido

Após o caso, muitas teorias sobre o que teria acontecido com os jovens surgiram, inclusive a sugestão de que o nitrogênio teria reagido com o cloro e formado tricloreto de nitrogênio, substância tóxico utilizada em bombas de gás lacrimogêneo. A hipótese é descartada pelo professor do Departamento de Química da Universidade de São Paulo, Paulo Sérgio Santos.

Ele explica que o nitrogênio é um gás muito pouco reativo e sua ligação com o cloro é difícil de se fazer até em laboratórios. “A reação forma um gás altamente explosivo. Dos primeiros químicos que tentaram fazer essa reação um perdeu a vista e o outro perdeu a mão. Em condições normais, são quimicamente inertes, ou seja, não há reação.”

Causa do acidente com o nitrogênio líquido na piscina

Segundo Santos, a explicação mais viável é também a mais simples. O nitrogênio líquido para se manter neste estado é fechado em reservatórios isolados que o mantém a uma temperatura de 200 graus Celsius negativo. Por isso, é usado para a conservação de sêmen em inseminação artificial e por chefs na cozinha, para se fazer sorvete, por exemplo.

Quando aberto o recipiente, o nitrogênio começa imediatamente a evaporar (seu ponto de ebulição é -196°C), daí o efeito de “névoa”. “Em contato com a água da piscina, que provavelmente estava em torno de 20 graus, o nitrogênio evaporou e se expandiu com violência e, como estava em grande quantidade, expulsou todo o oxigênio do local, causando asfixia”, explica o professor.

Efeitos provocados pelo nitrogênio líquido

O nitrogênio não é considerado tóxico, apenas um gás “asfixiante”. O efeito, explica, é o mesmo que se colocar uma pessoa em um ambiente totalmente fechado, em algum momento ela vai consumir todo o oxigênio presente no ar. “Seria o mesmo que não respirar, se ela respirar (no caso da festa na piscina) ela vai respirar apenas nitrogênio.” A ausência de oxigênio no sangue por não muito mais que um minuto, em média, pode gerar problemas graves.

Em contato com a pele, o nitrogênio líquido pode provocar graves queimaduras em razão da sua baixíssima temperatura. “Imagine cobrir o braço de alguém com um líquido a 200 graus negativos. Isso geraria uma contração violenta dos vasos sanguíneos”, diz Santos, o que explica as queimaduras no estômago da britânica após ingerir a substância. E faz um alerta: “O nitrogênio líquido não é uma substância que possa ser manipulada por uma pessoa não treinada”.

O que poderia substituir o nitrogênio líquido para o mesmo efeito na piscina?

Para ele, uma alternativa que produziria o mesmo efeito, sem gerar os mesmos danos e que poderia ser manejada por pessoas sem qualificação é o gelo seco, formado por gás carbônico resfriado a -78°C, conhecido como gelo seco. “Como está em estado sólido, ele vai sublimar (mudança direta do estado sólido para gasoso) e isso é um processo mais lento e menos abrupto.”

Texto extraído e adaptado do site revistagalileu.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of