Certos materiais emitem luz ao receber energia de uma fonte externa, como um ferro incandescente, uma brasa em chamas ou fogos de artifício, por exemplo.

Imagem relacionada
Ferro incandescente
Imagem relacionada
Brasa em chamas
Imagem relacionada
Fogos de artifício

Contudo, a ideia de absorção e emissão de energia dos átomos ficou mais visível quando Bohr propôs o modelo atômico com níveis específicos de energia. Quando os elétrons recebem energia de um agente externo, como a luz, o campo elétrico, o campo magnético ou um impacto, realizará saltos quânticos nos orbitais eletrônicos de seu átomo.

O elétron que orbita o átomo, ao perceber a presença do campo elétrico, recebe um potencial elétrico que realiza um salto para camada mais elevada que seu nível de energia.

O campo elétrico provoca um acréscimo no estado de energia do elétron, que o faz subir para uma camada mais energética. Lembrando que cada nível de energia (n)permite apenas um estado de energia, ou seja, todo elétron que está no nível 1 (n=1)  pode ter apenas X elétron-volts de energia; para o nível 2 (n=2), apenas X+Y elétron-volts de energia; para o nível 3(n=3), X+Y+Z elétron-volts de energia, e assim sucessivamente. Perceba que, quando o elétron absorve o fóton, ele ganha, um valor hipotético, 10 elétron-volts de energia, então, o elétron que está no nível 3 de energia passará a ter X+Y+Z+10 elétron-volts de energia. O problema disso: é que só podem residir no nível 3 o elétron que possua X+Y+Z elétron-volts de energia, sendo então, esse elétron expulso do nível 3 passando para o nível 4, que permite a entrada de elétrons que possuam apenas X+Y+Z+10 elétron-volt de energia.

No entanto, o nível 4 para este elétron hipotético não é seu lugar de origem, pois, o acréscimo dos 10 elétron-volts do fóton terá de ser liberado até que o elétron volte ao nível 3, que é seu estado fundamental.

A natureza busca sempre o equilíbrio, por isso, precisa liberar essa quantidade de energia em excesso que foi absorvida pelo elétron. Há diversas maneiras disso acontecer, uma delas, é a liberação de energia através de fótons (luz).

É assim que o ferro fica incandescente e a brasa e os fogos de artifício emitem luz. Esse é processo que acontece também nas lâmpadas de tungstênio, L.E.D. e fluorescente. A maneira como eles recebem essa energia pode ser diferente, como as lâmpadas de tungstênio e L.E.D. com a corrente elétrica ou as lâmpadas fluorescentes com o campo elétrico, porém, o processo de liberação de energia de ambas é através da emissão de luz.

O interessante disso é que cada átomo tem uma quantidade de elétrons em níveis de energia diferente, o que altera a quantidade de energia que é absorvida e liberada, com isso, cada átomo emite uma cor de luz. A usabilidade disso é a determinação do material pelo espectro eletromagnético que esse material emite, foi assim que descobrimos a temperatura e do que é feito as estrelas.  

Texto por: Prof. Cadu Lanzi

2
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Ciência em AçãoBig Cérebro - comercio de presentes e brinquedos e Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Big Cérebro - comercio de presentes e brinquedos e
Visitante

Parabéns pelo ótimo artigo. Trata o assunto de forma simples e envolvente, mesmo englobando variantes distintas do mesmo tema.Apoiado! Att, Big Cérebro Brinquedos Educativos – https://www.bigcerebro.com.br